Lew, Lara baseia proposta técnica em slogan para a reforma agrária

Luiz Lara, 41, sócio-diretor da Lew, Lara, atribui a escolha de sua agência à "bela proposta técnica" apresentada sobre o tema da reforma agrária. "Fizemos uma proposta absolutamente técnica, considerando que a gente não tinha experiência, e não temos, em atendimento de contas públicas nem de marketing político. O resultado foi muito positivo." (FV)



Folha – Qual foi a sua avaliação da escolha da Lew, Lara?

Luiz Lara – Nós ainda estamos em compasso de espera. Estamos muito satisfeitos com a pontuação técnica que a Lew, Lara obteve. Temos que aguardar os cinco dias para ver se vai haver alguma contestação. Enquanto isso não acontece, a gente espera o de- senrolar, para se sentir formalizada como agência da Secom.





Folha – A agência tem experiência em atender a contas do governo?

Lara – Não. Esse é um trabalho pioneiro. Nossa estratégia empresarial foi consolidar a agência entre clientes da iniciativa privada. Hoje, a Lew, Lara é uma agência brasileira, com dez anos de atuação. Somos uma das dez maiores do país. Temos na nossa carteira bons clientes, como a própria Folha, a Natura, o Banco Real, a Pernambucanas, a Minuano…





Folha – Qual foi a estratégia da Lew, Lara nessa disputa?

Lara – Nossa estratégia foi fazer uma bela proposta técnica, cumprindo o que o edital pedia. O exercício foi sobre a reforma agrária. E o nosso conceito foi: "Respeito para quem tem terra. Terra e apoio para quem não tem".





Folha – É verdade que a agência buscou consultoria de Cláudio Baeta, um publicitário baiano que teria maior trânsito no PT?

Lara – Não. Fizemos tudo com a nossa equipe. Nós temos equipe completa de criação, pesquisa, mídia. Fizemos trabalho muito forte em pesquisa sobre reforma agrária, ouvindo pessoas do campo e da cidade, para saber que tipo de conscientização havia sobre a reforma agrária. Cláudio Baeta é um amigo nosso, do passado. Eu o conheço desde 1992. Não tem absolutamente nada com isso, não trabalha conosco, não se envolveu. Ao que me consta, não tem nada com o PT.





Folha – Como o sr. viu a presença da Matisse entre as classificadas?

Lara – Eu não conheço as pessoas, nem da Duda nem da Matisse. Não tenho relação pessoal com nenhuma das duas. Acho que valeu a proposta técnica. Duda tem um conhecimento muito grande da estratégia desse governo, até porque teve papel preponderante na campanha. E, ao que me consta, também pelo que eu leio na imprensa, a Matisse é ligada ao Paulo de Tarso, que teve um papel importante nas campanhas anteriores do presidente. Nós entramos com a equipe daqui. Fizemos uma proposta absolutamente técnica, considerando que a gente não tinha experiência, e não temos, em atendimento de contas públicas nem de marketing político. O resultado foi muito positivo.




FONTE: Folha de S.Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.