Muda o perfil dos profissionais de comunicação corporativa

Andrea Giardino


 


As empresas hoje estão tratando a comunicação corporativa de forma mais estratégica, o que implica em mudanças no perfil de quem atua na área. Em 35,4% delas, já existe uma diretoria para cuidar da comunicação interna e muitos dos executivos vêm ocupando cadeira no board. Há também uma redução do percentual de profissionais formados em jornalismo no comando da área nas organizações no Brasil.



 


Em 2002, 54% eram jornalistas e agora eles não ultrapassam os 35%. Já o número de profissionais de relações públicas cresceu, passando de 15,4% em 2005 para 22% em 2007. Os dados são de estudo realizado pelo Databerje, instituto de pesquisa da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje), onde foram ouvidas 164 empresas, que juntas faturaram no ano de 2006 cerca de US$ 360 bilhões ou 33,7% do PIB brasileiro.



 


De acordo com o levantamento, as maiores equipes – aquelas que contam com mais de seis funcionários – estão nas companhias de serviços, 35%. Embora metade delas não tenha um plano integrado de comunicação. “É curioso ver que existe uma diversidade de formação, com antropólogos e filósofos”, afirma Suzel Figueiredo, diretora do Databerje.



 


Outro ponto de destaque é que em 53% dos casos, as diretorias e gerências de comunicação interna ficam sob a responsabilidade da comunicação e relações públicas. Em 40% das companhias, quem cuida é a área recursos humanos. No entanto, em 3% das organizações ouvidas, o setor de comunicação passou a se reportar às áreas como assuntos corporativos/institucionais e até mesmo à presidência, 2,4%.



 


“No passado, era comum o RH controlar a comunicação com os funcionários”, diz Suzel. Mas isso mudou e a área de comunicação corporativa ganhou mais poder”. Tanto que aumentou em 6,9% o índice de empresas que possuem equipe interna, se comparado a 2005 (quando foi feita a última pesquisa) .



 


Em relação aos investimentos feitos pelas companhias na área de comunicação, se comparado a 2005, aumentou o percentual de empresas que investem até R$ 500 mil reais por ano na área, pulando de 28,2% para 35,4% este ano. “Os investimentos são tímidos para uma organização que emprega 5 mil funcionários”, diz Suzel. “Ou seja, ela aplica apenas R$ 100 per capita por ano”.



 


Vale ressaltar que 20,7% dos entrevistados não sabiam qual era o investimento atual da empresa. Desses, quase metade ocupa cargos de analista/especialista e estão concentrados nas áreas de recursos humanos.



 


A pesquisa aponta ainda que o mercado de comunicação corporativa é composto, predominantemente, por mulheres, com 76,2%. Embora os homens sejam maioria nos cargos de diretoria. Mesmo com a área tendo crescido e se estruturado nos últimos anos, 65% dos profissionais investigados acreditam que o trabalho de comunicação interna não atende completamente às necessidades de informação dos funcionários.


 


Jornal Valor Econômico – 05/11/2007 – Página D8


 


FONTE: Valor Econômico

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.