COMUNICADO – Perdemos Leonardo Blaz Cicotti

Não há palavras para expressar nossa tristeza e nosso choque. Nosso amigo e companheiro Leonardo Blaz Cicoti foi estupidamente assassinado neste sábado (3/7), com apenas 26 anos. Mais uma vez a violência que impera neste País arranca de nós uma pessoa tão querida e que vai nos fazer tanta falta, por sua inteligência, suas idéias, sua dedicação, sua criatividade, seu exemplo e, acima de tudo, sua amizade. 

 

Jamais poderemos esquecer a alegria com que Leo chegava todas as manhãs, já animado pela natação que o tirava cedo da cama, nem seu empenho em dar a si mesmo, a cada dia, um motivo de alegria, fosse um almoço em um lugar especial ou uma conversa com um amigo querido. 

 

Bem educado, formado, amado, preparado, Leonardo era um homem de valores e de valor. Sensível, delicado e bem-humorado, tinha fé na vida e fé em Deus. Leonardo era indignado, daquelas pessoas que não aceitam o inaceitável, como a banalização e o desrespeito à vida, de que agora é vítima. Protestava diante daquilo que considerava inadmissível, como o é agora para nós este ato de violência estúpido. Fazemos nossa, neste momento, a indignação que ele sentia e vivia.  

 

Leonardo dividia seus dias conosco na Voice desde 2002. Talvez por seu perfil, acabava sempre realizando trabalhos que envolviam (ele agia assim naturalmente) comprometimento não só profissional, mas pessoal, humano. Em 2002, a agência foi responsável pela divulgação da reabertura da Catedral da Sé, e ele ficou à frente do extenso trabalho com outros 10 profissionais. Isto foi particularmente especial para ele. Nós ainda nos recordamos da emoção que ele sentiu. Mais do que sua fé, aquela emoção tinha a ver com o fato de que reencontrava Dom Cláudio, após vários anos. Agora na condição de quem trabalhava pela divulgação da reabertura (como ele mesmo redigiu no texto distribuído à imprensa, na ocasião) "do templo católico de maior importância da cidade, além de palco de manifestações em prol da democracia, liberdade e fraternidade?. Dom Cláudio o havia crismado na igreja Santíssima Virgem, em São Bernardo do Campo. 

 

Mais recentemente, assumiu a divulgação da Fundação SOS Mata Atlântica e seu empenho em defender a vida em todas as suas formas chegava às últimas conseqüências: trabalhou com todo seu talento, e muitas horas além do expediente, para informar jornalistas de todo o Brasil o balanço das cidades mais agredidas e preservadas, realizado pela organização de defesa do meio ambiente, e que marcou uma manifestação pelo Dia da Mata Atlântica, no Senado Federal. Organizou uma coletiva on-line com jornalistas de todo o País; participou da convocação à imprensa para o evento no Senado; acompanhou diversas entrevistas concedidas a jornais, rádios e tvs no dia do anúncio. E fazia com grande prazer, talento, criatividade.  

 

Leonardo formou-se em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo (Umesp), em São Bernardo do Campo, em 1998, e no ano seguinte fez o Curso Intensivo de Jornalismo Aplicado do jornal O Estado de S. Paulo. Trabalhou como repórter no Diário do Grande ABC, cobrindo a área cultural, uma de suas paixões. Também atuou em outras empresas, estudou inglês na Nova Zelândia e tinha, ainda, muitos projetos e anseios a serem realizados. 

 

Solidários com a dor imensurável de sua família, ficamos cheios de saudades, de boas lembranças e buscando forças e lucidez para saber e fazer algo que possa diminuir as ocorrências de novas tragédias como esta. A morte de Leonardo Blaz Cicoti será um motivo a mais para pensarmos na PAZ, no FUTURO e na HUMANIDADE da qual todos fazemos parte. 

 

 

Voice Agência de Comunicação 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.