Ex-marqueteiros de Lula vencem licitação

As agências Duda Mendonça, Lew, Lara e Matisse foram escolhidas ontem para fazer a publicidade institucional do governo federal nos próximos 12 meses. O valor total do contrato para esse período é de R$ 150 milhões. 

 

O resultado foi proclamado após a abertura das propostas de preço -a terceira fase da licitação-, no Palácio do Planalto. Há um prazo de cinco dias úteis para a apresentação de recursos, após a publicação no "Diário Oficial da União", que deve ocorrer hoje. 

 

Havendo ou não recurso, a expectativa das agências é que o resultado permaneça o mesmo, já que essa última fase (preços) influencia menos na licitação, que valorizou a melhor técnica (fase dois). Os recursos, caso existam, têm de se limitar à terceira fase. 

 

Encerrado o prazo de recursos, segundo a Secom (Secretaria de Comunicação de Governo e Gestão Estratégica), a assinatura do contrato será imediata. Ainda não se sabe qual será a primeira campanha, mas, entre as primeiras, está a da reforma da Previdência. 

 

Entre as agências vencedoras, duas (Duda e Matisse) são comandadas por ex-marqueteiros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Duda Mendonça foi o responsável pela campanha vitoriosa de Lula, em 2002.  

 

A Matisse, agência de porte médio de Campinas (SP), associou-se no início deste ano ao publicitário Paulo de Tarso Santos, que fez as campanhas de Lula em 1989 e 1994. Após 1996, porém, Santos afastou-se do PT e coordenou campanhas do PFL do Paraná em 1998 e 2000. Em 2001, tornou-se publicitário do PSDB e cuidou da imagem de FHC. 

 

Segundo a Secom, a ligação anterior desses publicitários com Lula não coloca sob suspeita o resultado da licitação. A Secom diz que os critérios da licitação são objetivos, determinados pelo edital, e o resultado depende da avaliação de cada quesito apresentado.  

 

Luciana Merehb, da Master São Paulo, que ficou em quarto lugar, considerou a licitação "totalmente transparente" e disse que a agência não vai recorrer. 

 

Participaram da terceira fase as 12 agências classificadas na etapa técnica -47 se inscreveram. Ninguém contestou o resultado, que já era esperado, pelo fato de essas três agências terem sido as primeiras classificadas nessa fase. 

 

No resultado final não há ordem de classificação. As três venceram e dividirão a publicidade oficial, a critério da Secom. Cada uma tem garantidos apenas 15% do valor do contrato, que tem como objetivo assegurar que não haja acomodação. O desempenho de cada uma é que determinará a distribuição das campanhas. 

 

Zilmar Fernandes da Silveira, sócia da agência Duda Mendonça, classificou de "maravilhoso" o resultado. "De todas as agências, a que mais conhece o pensamento e a estratégia deste governo é a nossa. Fizemos um trabalho fantástico. Tínhamos que ganhar em primeiro lugar, sem margem de contestação", afirmou. 

 

Dalva Fazzio, diretora-presidente da Matisse, disse que a experiência de Paulo de Tarso em marketing político foi fundamental para a classificação da agência, que tem apenas cinco anos. "É um grande desafio", afirmou. 

 

As melhores propostas ontem foram feitas pelas agências Master e SMBB: cobrança de 9% de honorários e desconto de 20% nos custos próprios. As três primeiras colocadas na fase anterior, porém, alteraram suas propostas e assumiram esses percentuais, como lhes faculta o edital de licitação, permanecendo na frente. 

 


FONTE: Folha se S.Paulo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.