Simpósio da ABCiber homenageia o professor Ciro Marcondes Filho

O XIII Simpósio Nacional da ABCiber homenageia, na próxima quinta-feira (dia 17 de dezembro), às 18h30, o professor Ciro Marcondes Filho, um dos principais teóricos da Comunicação no Brasil, morto no último dia 8 de novembro. Estudiosos do jornalismo, das ciências sociais e da filosofia darão seus depoimentos sobre a contribuição do pesquisador que, por 33 anos, atuou como professor titular do Departamento de Jornalismo e Editoração da Escola de Comunicações e Artes (ECA-USP) e deixou como legado uma produção intelectual reconhecida internacionalmente. Familiares de Ciro Marcondes Filho também farão parte da homenagem que será transmitida pelo YouTube (https://youtu.be/UR1UM8jOUlQ). “O professor Ciro Marcondes será lembrado sempre com muito carinho e gratidão pelas décadas de intensa contribuição à ciência e à pesquisa no país”, diz Janaína Antunes, presidenta da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber).

Nesta edição on-line, o XIII Simpósio Nacional da ABCiber discute a virtualização da vida no cenário pós-pandemia, com atenção especial à perspectiva de futuros imediatos, às tecnopolíticas e à reconstrução do comum. O evento será aberto, na quarta-feira (16 de dezembro), às 19h, com a palestra da pesquisadora Paola Ricaurte Quijano, do Departamento de Medios y Cultura Digital da Escuela de Humanidades y Educación, do Instituto Tecnológico de Monterrey, no México, com o tema “Conectar, desconectar, reconectar: os desafios da reconfiguração da vida, da política e da tecnologia” (https://youtu.be/WkDOJEo_Q8U). O XVIII Simpósio da ABCiber contará com mais duas participações internacionais: o pesquisador Antonio Lafuente, do Centro de Ciencias Humanas y Sociales, em Madrid, que falará sobre “Humanidades digitais e inovação social: a viagem até o coração do nosso mundo” (https://youtu.be/BkxOAFiwtRo), na quinta-feira (17 de dezembro), às 13h, e Marcos Garcia, do Medialab-Prado, na Espanha, que propõe o debate sobre as redes de laboratórios no campo da comunicação e a relação com a criação de comunidades locais e globais (https://youtu.be/w8db8NCygSk), na quinta-feira (17 de dezembro), às 17h.

Participam ainda das conferências os pesquisadores Cláudio Abraão (Cásper Líbero), Cleomar Rocha (UFG), Eugênio Trivinho (PUC-SP), Henrique Antoun (UFRJ), Hermes Renato (PUC-SP), Ivana Bentes (UFRJ), Jorge Miklos (Unip), Lúcia Leão (PUC-SP), Lúcia Santaella (PUC-SP), Lucilene Cury (ECA-USP), Marco Aurélio (Unifae), Sebastião Squirra (PUC-SP), Sérgio Amadeu (UFABC) e Yara Guasque (UDESC). O Simpósio da ABCiber tem espaço reservado para a apresentação de pesquisas no formato de painéis temáticos, de 16 a 19 de dezembro, para o debate de questões como regimes digitais de exceção, economia colaborativa, transformações no trabalho e tecnoativismos, entre outros. O acesso aos painéis temáticos é restrito aos inscritos. Os pesquisadores participam, no último dia do evento, da reunião científica, que debate o assunto principal do Simpósio. Consulte a programação completa do evento on-line em http://abciber.org.br/simposio2020/programacao.html

 

Sobre o professor Ciro Marcondes: Bacharel em ciências sociais e em jornalismo pela USP, Ciro Marcondes Filho era professor titular da ECA desde 1987, doutor pela Universidade de Frankfurt e pós-doutor pela Universidade de Grenoble, na França. Ingressou na USP, em 1968, na segunda turma do curso de graduação em jornalismo, tornando-se docente em 1974. Também coordenou o Núcleo de Estudos Filosóficos da Comunicação da ECA e esteve à frente do Centro de Estudos e Pesquisas em Novas Tecnologias, Comunicação e Cultura da USP. Como jornalista, foi editor do Jornal da USP, colaborador do jornal Leia e colunista da Rádio USP (93,7 MHz) e da revista Caros Amigos. Na Rádio USP, produziu a série de programas O Teatro do Mundo – A Canção e Ciência Feliz. Desenvolveu a chamada Nova Teoria da Comunicação – referência para os estudos em teoria e filosofia da comunicação no Brasil e reconhecida em diversas universidades do exterior – e é autor de mais de 50 livros, dentre os quais O Capital da Notícia (Ática, 1986), A Saga dos Cães Perdidos (Editora Hacker, 2000), Ser Jornalista: O Desafio das Tecnologias e o Fim das Ilusões (Editora Paulus, 2009) e Das Coisas que nos Fazem Pensar (Ideias de Letras, 2014). Atualmente estava coordenando o projeto de pesquisa internacional Tragédias Políticas, que buscava analisar o fenômeno da desinformação e seus impactos sobre a política e a sociedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.