Abracom integra o Fórum Permanente pela Qualificação do Ensino de Comunicação

Entidades em defesa da qualidade da formação dos profissionais de comunicação


 


O secretário-executivo da Abracom, Carlos Henrique Carvalho, representou a entidade no lançamento do Fórum Permanente pela Qualificação do Ensino de Comunicação. A primeira reunião do Fórum foi realizada no dia 28 de junho em Brasília, com a participação das principais entidades representativas do mercado de comunicação. O encontro foi convocado pelo Conselho Federal de Relações Públicas – Conferp e pela FENAJ – Federação Nacional de Jornalistas. E contou também com a participação de representantes da Associação Brasileira de Relações Públicas, da Federação Nacional de Agências de Propaganda, Fenapro, da Abrapcorp – Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação Organizacional e Relações Públicas, além de professores de comunicação da PUC-RS, da Universidade Católica de Brasília e do IESB – Instituto de Educação Superior de Brasília.


 


O encontro foi aberto com palestra do secretário de ensino superior do Ministério da Educação, Ronaldo Mota. Ele foi convidado especial do Fórum. E trouxe para o grupo as diretrizes do Governo para o controle da qualidade do ensino superior no Brasil. Ele afirmou que o Governo trabalha com quatro princípios básicos, que norteiam a política para o setor. O primeiro é o da expansão da oferta de vagas. O segundo, da avaliação da qualidade do ensino oferecido. O terceiro é o da inclusão social, que está baseado no programa Pro-Uni. E o quarto princípio diz respeito à difusão territorial, com ampliação do número de vagas nas regiões do país onde há mais carência.


 


O secretário de ensino superior do MEC falou também que o ministério é favorável


aos sistemas de avaliação e acaba de implantar o Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior – SINAES. O secretário reconheceu que os cursos de comunicação estão entre os que mais boicotam as avaliações, mas ressalta que fazer avaliação constante é uma necessidade do sistema. Ressaltou que avaliação de hoje não é apenas na saída do curso, mas também na entrada.


 


Mas no aspecto do controle dos cursos, o MEC ainda vê limites legais para agir. Quando uma faculdade ou curso tem seguidas avaliações negativas, o Ministério faz com a instituição um protocolo de compromisso para ajustar o curso aos padrões de qualidade desejados.


 


Ronaldo Mota diz que até o momento o MEC não tem sido capaz,sob o aspecto legal, de fechar cursos por falta de qualidade. Com o SINAES, afirma que vai ser possível fazer isso, iniciando essa prática pela área de saúde.


 


No debate com os integrantes do Fórum, o Secretário do MEC anunciou que todas as contribuições do setor de comunicação para o aprimoramento do ensino poderão ser feitas pelo E-MEC, sistema de consultas que será adotado a partir do próximo semestre. Entre algumas diretrizes que o Ministério pretende implantar, está a de unificação de habilitações em determinadas áreas, como já foi feito nos cursos de administração, que hoje não têm subdivisões. Ele sinalizou que essa é uma possibilidade para outras áreas. Porém, ressaltou que não há possibilidade de adotar mudanças sem consultas a professores e agentes do mercado.


 


Debate


 


Após o diálogo com o representante do MEC, os integrantes do Fórum debateram alguns dos temas mais relevantes para os segmentos de comunicação no que diz respeito aos cursos que formam profissionais para a área.


 


A secretária-geral do Conferp, Ana Lucia Novelli, apresentou dados levantados junto ao MEC a respeito dos cursos de comunicação no Brasil. São 791 cursos, sendo 682 privados e 109 em instituições públicas. A carreira de publicidade e propaganda lidera com oferta de 359 cursos. O jornalismo vem em seguida, com 268 cursos, relações públicas tem 93, rádio e tv tem 47, editoração, 14 e cinema, com 6 cursos. A distribuição territorial apresenta forte concentração nas regiões sul e sudeste.


 


Os resultados dos cursos de comunicação no Enade – Exame Nacional de Desempenho de Estudantes, confirmaram as preocupações das entidades integrantes do Fórum com a qualidade da formação dos profissionais da área.


 


Os alunos dos cursos de comunicação tiveram médias baixas, se comparadas a outras disciplinas, apresentando, em sua maioria, notas inferiores a 50 pontos, em um total possível de 100.


 


Na avaliação final dos cursos pela CAPES, apenas 4% das faculdades de comunicação conseguiram o conceito 5, que é considerado de excelência.


 


Fórum passa a ser permanente


 


Ante os resultados preocupantes apresentados pelos cursos de comunicação. E após avaliação de que os desafios para a melhoria da qualidade do ensino são grandes, as entidades decidiram tornar o fórum permanente. Um primeiro documento, que será encaminhado ao MEC, vai expressar como prioridades do fórum a preocupação com a abertura de novos cursos e vagas sem qualquer tipo de controle, uma especial atenção com o desempenho dos alunos e dos cursos nas avaliações do Ministério, a necessidade de envolvimento dos agentes do setor na definição de critérios para avaliação dos cursos e um canal constante de diálogo entre o Ministério e as entidades representativas da área antes de qualquer decisão sobre mudanças nos currículos e na classificação das habilitações. O Fórum marcou um próximo encontro para o dia 28 de setembro, em Brasília, das 9h00 às 17h00.


 


 


FONTE: Abracom

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.