“Sei que esta é uma questão polêmica”

Interessante. Assim João Rodarte, presidente da CDN-Cia de Notícias, definiu sua participação no ?Papo na Redação? desta quarta-feira (12/11). Ele comentou que percebeu a preocupação dos estudantes e até mesmo jornalistas formados com orientação profissional.



Durante o chat, Rodarte disse o que é preciso fazer para ser um grande assessor de imprensa: "(…) é necessário uma boa formação, quando digo isso não quero dizer necessariamente na área de jornalismo, e muita paciência".



Leia na íntegra o ?Papo na Redação? com João Rodarte:



[15:07:06] – Marcel Chagas Merguizo (Estudante – UniSantos) pergunta para João Rodarte: Como vc vê a relação Assessorias e Redações? Há uma burocratização das fontes e das notícias? Como estudante apaixonado pela reportagem de rua, do correr atrás, da entrevistas cara a cara, o que posso prever do futuro do jornalismo?



João Rodarte responde: Oi Marcel. Vejo que este processo melhorou muito nos últimos anos. Tempos atrás éramos muito mal vistos pelas redações. Hoje podemos dizer que há uma triagem nessa visão e do nosso lado, as agências melhoraram muito para conquistar este respeito. O jornalismo, apesar da crise que passa, terá na minha opinião uma importância crescente. O que mudará fortemente é a maneira do jornalismo se expressar enquanto meio.



[15:08:13] – Thais de Menezes (Estagiário – Comunique-se) pergunta para João Rodarte: Olá Rodarte!! Tudo bem? Gostaria de saber como você avalia o primeiro ano da ABRACOM??



João Rodarte responde: Thais, eu avalio muito positivamente principalmente pelo fato das empresas terem se mantido unidas em seus projetos iniciais e de termos ampliado muito a nossa base de associados.



[15:10:00] – Alexandre Vaz de Oliveira Moraes (Repórter – Portal Uai (Estado de Minas)) pergunta para João Rodarte: João, como você avalia a oferta de trabalho nas assessorias de imprensa? Está melhor do que nos veículos ou o setor também passa por uma crise?



João Rodarte responde: Caro Alexandre, está bem melhor do que nos veículos. Nós estamos estimando um crescimento de 10% de contratação do setor em relação ao ano passado, enquanto que nos veículos o que temos é uma redução dos seus quadros.



[15:12:27] – Rodrigo Toffolli (Desempregado – Desempregados) pergunta para João Rodarte: Vive-se uma fase onde há mais jornalistas em assessorias do que nas redações, seja por oportunidades melhores, seja pela crise dos meios. Depois do rádio, veio a impressos, a TV sobrevive da venda de anúncios mais baratos em formato de mershandising e a Internet ainda é um campo pouco trabalhado nas questões comerciais. Na sua opinião qual o papel das assessorias neste cenário? Como trabalhar a comunicação num ambiente onde os espaços se fecham e os clientes precisam de maior visibilidade?



João Rodarte responde: Rodrigo, não podemos ver a questão da comunicação das empresas com os veículos sob a ótica do espaço. A questão fundamental é como se comunicar bem e de forma clara as suas mensagens mais importantes, e neste aspecto a Internet é um veículo muito importante.



[15:15:10] – Fernando Martins (Estudante – Revista TOP) pergunta para João Rodarte: Olá Rodarte…. sou da Revista TOP, que será lançada agora, na primeira quinzena de dezembro…. como o senhor avalia a situação atual do jornalismo no Brasil?



João Rodarte responde: Olá Fernando, a notícia de um lançamento de uma revista é muito encorajadora. Nesta crise que a empresa de mídia passa, o jornalismo em si tem a sua situação muito prejudicada num processo de transição também. Acredito que possamos olhar de forma adequada o processo por que passa o jornalismo quando tivermos ultrapassado esta crise.



[15:16:14] – Maurício Tuffani (Freelancer – Freelancers) pergunta para João Rodarte: Caro Rodarte, gostaria de saber se sua empresa atua na área que se convencionou ser chamada de "assessoria de crise". Em caso de resposta afirmativa, você concorda com essa denominação? No que consiste esse trabalho?



João Rodarte responde: Sim Mauricio, atuamos principalmente para evitá-las. Também não gosto muito deste termo, são estas coisas que sintetizam demais um processo muito complexo.



[15:19:17] – Karina Harari Adissi (Diretor – Fator 1 Assessoria de Imprensa – SP) pergunta para João Rodarte: João, como assessora de imprensa, percebo a força de sua assessoria em grandes veículos com a revista Veja. Como você faz para conseguir matérias de capa?



João Rodarte responde: Karina, nós temos muitos clientes que são muito importantes no cenário nacional e internacional. Por esta razão os principais veículos sempre dão uma atenção especial a estas empresas. Quanto ao formato e tamanho das matérias geradas pelas questões que estamos tratando com os veículos, e uma qestão que diz respeito somente a eles



[15:21:40] – Alexandre Vaz de Oliveira Moraes (Repórter – Portal Uai ( Estado de Minas)) pergunta para João Rodarte: Enquanto os veículos de comunicação estão passando por uma forte crise financeira, várias empresas de outros setores estão investindo pesado em publicações próprias, como a revista da Oi. Você acha que isso é muita tendência?



João Rodarte responde: Alexandre, acho que há uma tendência de customização universal. Por exemplo, pelo que sei, nos Estados Unidos vc tem boas chances quando lança uma revista dirigida, enquanto que uma nova revista de interesse geral tem menos chances de sucesso.



[15:23:45] – Thais de Menezes (Estagiário – Comunique-se) pergunta para João Rodarte: A CDN foi a vencedora do Prêmio Comunique-se de Jornalismo e Comunicação Empresarial na categoria Agência de comunicação. Qual a importância da escolha ter sido feita por jornalistas?



João Rodarte responde: Thais, primeiro porque jornalista é no geral uma pessoa muita crítica, mas sobretudo este é o principal público do nosso relacionamento para encaminhamento das questões dos nossos clientes.



[15:25:49] – Karina Harari Adissi (Diretor – Fator 1 Assessoria de Imprensa – SP) pergunta para João Rodarte: Rodarte, admiro muito seu trabalho e acredito ser esta uma oportunidade de aprender um pouco com seu profissionalismo. Você acha importante, no relacionamento com a mídia, o relacionamento pessoal, o conteúdo da notícia? O que para você é mais importante na conquista de uma notícia publicada?



João Rodarte responde: Karina, o mais importante é a sua precisão em relação aos fatos. Nesta medida, o relacionamento pessoal, tanto nosso quanto dos nossos clientes, influi muito para construir um ambiente de confiança mútua.



[15:27:16] – Fernando Martins (Estudante – Revista TOP) pergunta para João Rodarte: João Rodarte, é cada vez mais difícil acreditar na credibilidade dos meios de comunicação. De que maneira o senhor acha que nós, profissionais da comunicação, podemos driblar essa situação (crise)?



João Rodarte responde: Fernando, eu não vejo um problema grande nesta questão da credilidade dos veículos. Vejo algumas questões pontuais importantes, mas não como uma tendência. Ainda bem, pois não saberia como driblar esta situação.



[15:28:22] – Juliana Barbieri (Freelancer – Freelancers) pergunta para João Rodarte: Olá João. O que é preciso para ser um grande assessor de imprensa?



João Rodarte responde: Juliana, é necessário uma boa formação, quando digo isso não quero dizer necessariamente na área de jornalismo, e muita paciência.



[15:30:53] – Alexandre Vaz de Oliveira Moraes (Repórter – Portal Uai ( Estado de Minas)) pergunta para João Rodarte: Muitos políticos contratam assessores de imprensa sem diploma universitário. Como você vê as discussões sobre exigência de diploma para exercer o jornalismo, em especial nas assessorias de imprensa?



João Rodarte responde: Alexandre, não sou a favor da necessidade do diploma específico para o exercício de jornalismo e de muitas outras profissões também. Não quero com isto dizer que as pessoas não tenham que ter uma formação superior. Também acredito que para exercer o jornalismo é necessário uma preparação, não necessariamente um diploma de jornalista. Mas sei que esta é uma questão polêmica!



[15:33:35] – Marcelo Toller Toller (Profissional Contratado – Radio Tropical AM) pergunta para João Rodarte: João Rodarte, como voce vê o radiojornalismo do interior do Brasil?



João Rodarte responde: Marcelo, há muitos anos, quando trabalhava na secretaria de comunicação do governador Montoro, tinha uma visão muito boa desta questão pois este era o foco do meu trabalho. Hoje não tenho as mesmas informações. O que mais me preocupa na questão é a independencia financeira das empresas e sua conseqüente independência editorial.



[15:35:57] – Juliana Barbieri (Freelancer – Freelancers) pergunta para João Rodarte: O que vc quer dizer com boa formação?



João Rodarte responde: O quero dizer é que uma pessoa pode ser socióloga, relações públicas ou advogado, que são profissões que dão uma boa base para exercer a função de assessor de imprensa.



[15:36:18] – Alexandre Vaz de Oliveira Moraes (Repórter – Portal Uai ( Estado de Minas)) pergunta para João Rodarte: Na sua opinião, é interessante para um assessor de imprensa fazer um MBA?



João Rodarte responde: Sim, é interessante, muito.



[15:38:43] – Thais de Menezes (Estagiário – Comunique-se) pergunta para João Rodarte: Na sua opinião é importante passar por uma grande redação antes de exercer o papel de assessor de imprensa?



João Rodarte responde: É sim importante esta experiência. Da mesma maneira, acho que seria muito importante para ser um bom jornalista vivenciar o dia-a-dia de uma assessoria.



[15:38:58] – Juliana Barbieri ( Freelancer – Freelancers ) pergunta para João Rodarte: Vc acha que a faculdade pode definir o bom assessor?



João Rodarte responde: Não, seguramente não.



[15:42:38] – Karina Harari Adissi (Diretor – Fator 1 Assessoria de Imprensa – SP) pergunta para João Rodarte: Rodarte, complementando as duas outras perguntas sobre formação que li, qual o curso indicado para o jornalista formado com dez anos de experiência em assessoria para se desenvolver ainda mais em assessoria?



João Rodarte responde: Existem vários cursos com temas específicos que são muito apropriados para o desenvolvimento profissional. De qualquer maneira, é muito importante a pessoa aprofundar seus conhecimentos numa área de interesse. Por exemplo, se o trabalho é mais voltado para a área de economia ou de artes, buscar a especialização nestes setores. Temos aqui na CDN pessoas que desenvolveram um conhecimento muito importante na área de saúde. Isto passa a ser um capital importante para estes profissionais.



[15:44:19] – Alexandre Vaz de Oliveira Moraes (Repórter – Portal Uai ( Estado de Minas)) pergunta para João Rodarte: João, você passou por algum veículo? Se sim, do que você sente mais falta?



João Rodarte responde: Não. Sou um bom exemplo desta polêmica sobre a formação profissional, pois sou formado em jornalismo e nunca trabalhei em nenhum veículo. Sinto muito falta de saber escrever bem.



[15:45:55] – Thais de Menezes (Estagiário – Comunique-se) pergunta para João Rodarte: Você pode nos contar um case de sucesso da CDN?



João Rodarte responde: Acabamos de ganhar um prêmio nacional pelo nosso trabalho do lançamento da Braskem, a empresa petroquimica que se formou no grupo Odebrecht. Temos outros cases em nosso site.



O programa "Papo na Redação" é realizado através da ferramenta Eventos Online, um produto da Comunique-se S/A que está disponível para contratação. Clique aqui para obter mais informações.






FONTE: Comuniquese

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.